Em meio às comemorações do centenário da imigração japonesa no país, o Museu de Artes de São Paulo (MASP) traz, até dia 26 de abril, 1000 fotografias, 160 desenhos e 10 vídeos do artista contemporâneo japonês Tatsumi Orimoto.

A exposição “O convívio social aos olhos de Tatsumi Orimoto” é uma retrospectiva dos quarenta anos de carreira do artista, que retrata em suas obras não só traços do Japão mas uma integração entre oriente e ociedente, quebrando formalismos e inovando nas ações.

Algumas obras são realmente inusitadas. A série “Art Mama”, por exemplo, tem como personagem principal a mãe de Orimoto, vítima de Alzheimer. Em fotos e vídeos, Orimoto mostra uma ambigüidade proposital: se a doença destinaria sua mãe à exclusão social, a exposição a ressalta, repercutindo internacionalmente.

Outra série, intitulada “Bread Man”, apresenta o próprio artista (algumas vezes acompanhado) com pães amarrados em sua cabeça, interagindo com as pessoas nas ruas, em eventos e na televisão. A mãe de Tatsumi Orimoto também aparece em algumas imagens. E o pão não é mero coadjuvante: atua como um símbolo de ligação entre o oriente e o ocidente.

Outra parte interessante da exposição de Tatsumi é a performance “50 Grandmamas”, em que o artista convida 50 avós para apreciarem uma refeição tradicional japonesa. A homenagem aos idosos vem da valorização destes pela cultura japonesa.

A exposição pode ser conferida de terça à domingo, das 11h às 18h, e nas quintas até as 20h. O ingresso é R$15 (inteira) e nas terças-feiras a entrada é gratuita.